“Estamos a preparar uma gala irreverente, que tenha a capacidade de surpreender”, Pedro Sousa e Silva

Pedro Sousa e Silva, administrador do Jornal O Almeirinense, antecipa a 2.ª Gala do Jornal.



O dia 25 de outubro de 2018 ainda está bem presente na sua memória?
São muitos os momentos que guardo desse dia, talvez o mais marcante tenha sido a entrega do prémio Mérito Excelência ao Professor Sousa Gomes, mas também me lembro de o Valter Madureira me ligar perto das 03h, a dizer que já tínhamos recebido mais de 30 mensagens a congratular a organização; lembro-me de uma presidente da Nersant confidenciar que já tinha organizado várias galas, mas nenhuma assim, e lembro-me também de um provedor da Santa Casa da Misericórdia de Almeirim partilhar o orgulho que sentiu naquela noite do Jornal O Almeirinense.

Como classifica a noite desse dia? A excelente resposta dada pela comunidade diz muito da avaliação do evento. Desde que assumimos o Jornal O Almeirinense, já fizemos coisas muito bonitas, mas esta é certamente uma das que mais me orgulha, não só pelo resultado final, como também pela forma como tudo foi sendo construído.

A festa superou as suas expectativas?
Sim, expectativa foi a chave desta I Gala, acho que ninguém esperava o que
ali aconteceu, e isso criou um impacto que fez eco durante muito tempo. É
importante dizer que a I Gala, para além de um orçamento zero, foi organizada por uma equipa competente, mas com pouca experiência na área, havia muita coisa para correr mal, mas não correu, e isso tem uma explicação…

Isso eleva as expectativas para este ano?
Na primeira Gala, como não havia base de comparação, a pressão era relativamente baixa, estávamos a trabalhar para um evento que também servia como “cobaia” para as próximas edições, os erros seriam a forma de aprender e evoluir, mas a verdade é que, embora não tenha sido perfeita, correu muito melhor do que o esperado e isso cria necessariamente uma expectativa adicional para este ano.

O que espera da festa deste ano?
Espero uma Gala que acima de tudo cumpra o seu propósito: apresentar
e reconhecer o melhor que se faz nas várias áreas. Não tenho dúvidas que muitas das obras/carreiras ali apresentadas não são do conhecimento do grande público. Assim, mais do que premiar, é apresentar pessoas, instituições e empresas que se destacaram pelo seu bom desempenho na nossa comunidade, motivando a fazer mais e melhor.

Bem sabemos que não pode revelar pormenores, mas garante a mesma elevação e qualidade? Surpresas, também algumas? A II Gala vai servir para consolidar este projeto do Jornal O Almeirinense; mantendo o mesmo formato, podem esperar muitas surpresas do primeiro ao último minuto. Estamos a preparar uma gala irreverente, que tenha a capacidade de surpreender.

Acredita que o dia 25 de outubro vai começar a ficar na agenda das pessoas do concelho? Sou suspeito, mas fazendo uma análise imparcial, parece-me que estamos perante um evento ímpar, tanto pela sua génese, de reconhecimento de méritos, que, concordem ou não, trazem muita satisfação, bem como pela sua abrangência, que junta o melhor de várias áreas da nossa comunidade.

O Festival da Sopa da Pedra vai ter como umas das principais atrações David Antunes. Algo que surgiu na Gala de O Almeirinense. Recorda-se? Ficou na retina de toda a gente a fantástica atuação do David Antunes, foi claramente um dos pontos altos da Gala. Como a música não é o seu único talento, já num registo mais de entertainment houve ali um comprometimento público com o Presidente da Câmara, Pedro Ribeiro, para uma eventual participação no Festival da Sopa da Pedra… Fez pela vida. E muito bem.

Quando começa a reunir o júri?
Está previsto realizar três reuniões prévias, com cerca de dois meses de antecedência: uma primeira para apresentar procedimentos e critérios e as seguintes para selecionar e votar nomeados. Aproveito para partilhar a experiência fantástica que foi fazer parte do grupo de júri da I Gala, pessoas com carreiras e conhecimentos assinaláveis, foi muito enriquecedor.

O modelo organizativo será semelhante?

Sim, queremos dar consistência ao projeto, há coisas de que não abdicamos, como os critérios na seleção e avaliação dos candidatos, a forma rigorosa e confidencial como decorre todo o processo de votação. Mas, obviamente, outras irão ser melhoradas, exemplo disso será as novidades no júri, e a participação da comunidade na votação dos candidatos vencedores.

.