Última Hora: Almeirinense assina pelo Benfica

Adriana Corrêa trocou o JAC Alcanena, onde se sagrou campeã nacional, e vai jogar com a camisola do SL Benfica, no ano que marca o regresso dos encarnados às competições de andebol feminino. 

O andebol feminino surgiu na temporada de 1971/72, por iniciativa da então futura capitã, Dolores, que sugeriu à secção a constituição de uma equipa. Conhecida nesta década como “Papoilas Rubras”, fez a sua estreia a 14 de maio de 1972, tornando-se na melhor equipa em Portugal na década de 80.  Apesar do seu sucesso, a crise financeira e a restruturação das modalidades no Clube levaram à sua extinção no final da época de 1993/94. Teve um breve regresso, em 1996/97, temporada que ficou marcada pela conquista do Campeonato Regional e do Campeonato Nacional da 2.ª Divisão, que assegurou a subida à 1.ª Divisão. No entanto, na altura, não foi possível manter a equipa.

Apesar de não ter formação sénior feminina desde 1997, o Sport Lisboa e Benfica conta ainda com o segundo melhor palmarés da modalidade atrás do Madeira SAD. Na sua história, o Clube da Luz tem 7 Campeonatos Nacionais, 6 Taças de Portugal e 2 Supertaças.

Neste regresso da modalidade, a equipa vai começar a competir na 2.ª Divisão, partindo com a ambição de subir ao escalão principal. Este será um grupo de trabalho sustentado na sua larga maioria na juventude. Um dos objetivos a médio/longo prazo passa precisamente por fazer crescer internamente a formação de jovens atletas.

Carina Martins, Joana Teixeira e Adriana Corrêa, as três jogadoras de Almeirim, sagraram-se, no dia 10 junho, campeãs nacionais de andebol na equipa junior do JAC de Alcanena.

.