CDS ataca forte no dia da eleição dos mesmos orgãos

No passado dia 8 de junho foram eleitos os novos orgãos dirigentes da Concelhia do CDS-PP de Almeirim com sem votos nulos ou em branco.

João Vinagre, voltou a encabeçar a lista à Comissão Política, renovando a equipa com alguns jovens, que já tinham estado a colaborar durante as últimas autárquicas. Para completar este Órgão está João Diogo Rosa, João Carlos Miranda, Dina Ribeiro, Bárbara de Sousa, Tomás Alves, Maria Carolina Ferreira e José Vieira como suplente.

Ainda foram eleitos neste acto, como Delegados ao Plenário Distrital João Diogo Rosa, João Carlos Miranda e Maria Carolina Ferreira como efectivos e os suplentes Tomás Alves, Dina Ribeiro e Bárbara de Sousa.Para encabeçar a lista para a Mesa do Plenário, Artur Correia da Silva, depois de ter encabeçado a lista do CDS-PP à Junta de Freguesia de Almeirim, aceitou mais este desafio. Para completar a constituição desde Órgão, está Rita Ferreira e Ricardo Dias.

Numa nota divulgada aos jornalistas, o CDS diz que “sabemos das dificuldades que existem no nosso Concelho, para a população expressar livremente a sua opção política, ou desacordo com as opções do poder vigente. O receio de represálias por parte dos elementos ou elemento, que lideram esse poder, com tentáculos em quase todas as associações e colectividades, reforça este sentimento. É este sentimento que nos dá a força para mostrar, e como gostam tanto de apelidar com deles, o 25 de Abril de ’74, mas são os primeiros a condicionar toda e qualquer opinião ou descontentamento. Esquecem-se, sempre, que a democracia instalada com o 25 de Abril é a que praticam, mas que a democracia que regem é a que foi alcançada com o 25 de Novembro de 1975. Nunca se deveria comemorar uma sem a outra”.


Mas o ataque implicito ao Partido Socialista é ainda mais forte: “É com este espírito, de liberdade e democracia, de livre opinião e opção, que esta Comissão Política se renovou. São jovens elementos, mas já com pensamentos livres e amadurecidos. Não subjugados aos caprichos de quem acha que, pode controlar tudo e todos, pois acha-se como o único capaz de ocupar tal cargo. Todos e cada um de nós, estamos desvinculados de qualquer necessidade de poder ou cargos, sejam eles políticos ou associativos. Estamos aqui para o Concelho, para as Freguesias, para as terras, para as populações. Não dependemos da política”.

João Vinagre sublinha ainda que “queremos um Concelho melhor e sobre tudo diferente, que olhe para a população, não como votos, mas como pessoas, porque são as gentes da terra que fizeram esta terra. Não queremos continuar a permitir que esta terra seja lapidada a belo prazer. Deitar abaixo e construir com base no betão é fácil, como se têm visto, mas construir o futuro e garantir o presente, esse não é para todos. O Concelho é de Todos, e Todos têm e devem ter opinião livre e esclarecida”.

O CDS quer que nas autárquicas de 2021, o partido seja uma alternativa válida e capaz.

.