“Propomos aposta na área agroindustrial”

O Partido Popular Monárquico apresenta o jovem Gonçalo Martins da Silva como cabeça de lista nas legislativas. A lista é composta também por independentes e com uma média de idades de 25 anos. Ao Almeirinense apresentam algumas ideias para o concelho.

O que o levou a aceitar um lugar como cabeça de lista por Santarém?
Decidi aceitar este esta candidatura pelo Partido Popular Monárquico não com objetivos políticos mas com sentido de servir a nossa Pátria, ajudar Portugal nas duras realidades do quotidiano que enfrentamos, e colaborar com a urgente restauração de Portugal, na qual eu e restantes candidatos acreditamos e daremos o nosso contributo.

Que ideias tem como necessidades para o Distrito?
A perspetiva do PPM é que Santarém constitui um Distrito com imenso potencial, que reúne um conjunto equilibrado e diversificado de recursos. A ampliação da capacidade do Aeroporto de Lisboa representa inúmeras vantagens para rever o modelo de crescimento dos municípios da região, nomeadamente ao nível do crescimento e diversificação do sector turístico. Nesta legislatura é necessário assegurar a racionalização das nossas acessibilidades tendo como objetivo assegurar a plena rentabilização da referida infraestrutura aeroportuária. Estamos igualmente muito atentos À questão ecológica, no nosso distrito a poluição nos rios, nomeadamente no Tejo, Alviela e Nabão, é uma questão muito preocupante pois está em risco todo o ecossistema que nele advém, o que leva a destruição
das sebes que ladeiam as valas e como consequência uma menor defesa contra as cheias mais violentas que como sabemos é uma problemática especialmente na zona da lezíria. Outra questão importante é o investimento em culturas que destroem a fertilidade das terras, no futuro podemos ter um grave problema devido a inutilidade das terras.

E no caso particular do concelho de Almeirim?
No concelho de Almeirim estamos muito atentos ao elevado número de pessoas sem médico de família, a saúde é um direito de todos e não deve ser negada a ninguém, achamos primordial aumentar o número de vagas nos cursos de medicina de forma a solucionar o fim das horas extra e da entrada de médicos de outras nacionalidades no nosso país.

Sendo este um concelho agrícola e com muita restauração, há propostas concretas nestas áreas?
Temos de assegurar que serão desenhados programas de apoio e financiamento à atividade agrícola que terão como objetivo aumentar e diversificar a produção agrícola no Distrito, nomeadamente em produtos como o vinho, o azeite ou o mel. O PPM considera essencial rever os acordos europeus no sentido do país reduzir a sua enorme dependência na área alimentar (em que não chegamos sequer a produzir um terço das necessidades nacionais. Este facto representa uma enorme vulnerabilidade para o país. O Distrito de Santarém possui, na perspetiva do PPM, as condições necessárias para dar um enorme contributo nesta área.

A descida do IVA na restauração é urgente?
O PPM propõe, também, uma forte aposta no enorme potencial do Distrito ao nível da área agroindustrial. Ao nível do turismo, o PPM destaca a nossa enorme qualidade na área da restauração. Nesse sentido, consideramos que é urgente a descida do IVA na restauração. Essa constituirá, aliás, uma das condições que colocaremos e cima da mesa no âmbito de qualquer negociação que venha a ocorrer para a formalização de um Governo de coligação.

Vai lutar por isso?
Certamente que sim, como disse anteriormente é urgente a descida do IVA na restauração.

O que será um bom resultado para o PPM?
O PPM esteve afastado do distrito durante bastante tempo. Recentemente o PPM criou uma estrutura em Santarém que pretende servir a população ribatejana. Nós queremos ser diferentes e nesse sentido queremos esclarecer as pessoas dizendo a verdade, sendo honestos, algo raro hoje em política, mas acima de tudo, ouvindo as populações e arranjando soluções para os seus problemas. Queremos servir verdadeiramente as populações. Não queremos apenas “fingir” que as ouvimos, ou queremos resolver esses problemas, apenas para ganhar votos. Não escondemos o nosso desejo se eleger um deputado, apesar da discrepância de meios entre partidos, mas acima de tudo queremos chegar ao fim da campanha, com a sensação de dever comprido no que toca ao esclarecimento das populações e que isso se reflita num aumento de votos do partido neste Distrito relativamente às últimas eleições.

.