O meu Pai, por Augusto Gil

O MEU PAI….
Canito que era e sabendo que o meu pai fazia anos no dia 22 de março perguntei-LHE a rir-me muito: – Oh pai …. Que idade vais fazer pra semana?
E ele respondeu: – Bem deixa-me pensar um cadito … Olha Nasci antes da televisão, das vacinas, comidas congeladas, lentes de contacto e da pirúla para no fazer meninos. Dava-se corda ao relógio todos os dias.
Não havia cafeteiras elétricas, microondas. As fotos não eram instantâneas havia somente a preto e branco e as revelações demoravam quase uma semana. Se em algo lêssemos Made in Japan, não se considerava de má qualidade hoje na presta. Não se tinha ouvido falar de pizzas, nem café instantâneo. Havia casas que se compravam coisas a 5 e a 10 tostões, os sorvetes, os bilhetes dos autocarros e os refrigerantes tudo custavam 10 tostões e por vezes menos. As nossas camitas de dormir eram pintadas com cores bonitas, em tinta à base de Chumbo que nós muitas vezes
lambíamos e mordíamos. Não tínhamos frascos de medicamentos com tampas ou fechos nos armários e podíamos brincar com as panelas.
Quando andávamos de cicletas, não usávamos capacetes. Bebíamos água da mangueira do jardim e não da garrafa e sabia bem. Chupávamos laranjas azedas que encontrávamos no meio das ervas e do jardim aqui em Almeirim não ficámos doentes. Comíamos batatas fritas, pão com manteiga e bebíamos pirolitos com açúcar, mas nunca engordávamos porque estávamos sempre a brincar lá fora. Passávamos horas a fazer carrinhos de rolamentos e depois andávamos a grande velocidade pelas estradas abaixo, para só depois nos lembrarmos que esquecemos de montar uns travões. Depois de acabarmos numas silvas e por isso aprendíamos logo a não esquecer de meter os ditos. A minha geração produziu os melhores inventores e desenrascados de sempre…Eu sou um deles … e olha para mim…tens vergonha de seres meu filho…?
A resposta saudável dei-a naquele momento….
-Não Pai…Podes não ter idade que julgo …mas é o melhor do mundo….
Pra mim….

.