Não há soluções, há caminhos: 31 dezembro

A lagarta e a borboleta. Se não tivesse visto, quem é que ia acreditar que aquela lagarta, rastejante e viscosa, morrendo no seu casulo, ia dar, ou de lá sairia, aquela borboleta ágil, etérea e colorida? Faz pensar no mistério da vida. E não admira que Santa Teresa de Ávila tenha encontrado nessa transformação a metáfora maravilhosa da nossa ressurreição. O segredo está, diz ela, em fazer bem o nosso casulo, ou seja, em morrer bem! O casulo vai-se tecendo na oração e na vida. Morrendo em Deus, a lagarta que somos dará lugar à borboleta que seremos.
Vasco P. Magalhães, sj
ONDE HÁ CRISE, HÁ ESPERANÇA
Um pensamento para cada dia: ver em tudo o que acontece uma oportunidade de crescimento.

.