GNR nega caça à multa e revela infrações

Ainda sobre as declarações do Presidente da Câmara Municipal de Almeirim a contestar a atuação da GNR e questionado pela Agência Lusa, o comando nacional da GNR afirmou que se limita a cumprir as regras legais em matéria de segurança rodoviária, confirmando que, no período de 26 a 31 de Agosto, “à semelhança do realizado ao longo do ano”, efectuou um conjunto de acções de fiscalização rodoviária, a nível nacional, que incluiu o distrito de Santarém, visando o transporte de mercadorias.

Nessas operações, a GNR detectou infracções rodoviárias “com elevado potencial para colocar em causa a segurança dos veículos em circulação, dos seus condutores e ocupantes e, por sua vez, dos restantes utilizadores da via”.

Revela ainda a GNR que foram identificadas 51 situações de excesso de carga e/ou carga mal-acondicionada, carga acima dos taipais e queda de tomate ou molho para a via, 47 por anomalias nos sistemas de sinalização e de iluminação, 12 por falta de inspecção periódica, e 12 por falta de registos dos períodos de condução e de descanso dos condutores.

Foram ainda detectadas seis infracções por falta de licenciamento para o transporte de mercadorias, três por falta de carta de qualificação de motorista e, ainda, um crime por viciação do tacógrafo, alterando os registos de tempos de trabalho e de descanso.

“Relativamente às infracções relacionadas com as matrículas dos veículos, a GNR detectou 16 contra-ordenações, por circulação com matrículas ocultas, o que impede o controlo e verificação através de meios automáticos de fiscalização, assim como a detecção de veículos e reboques furtados”, indicou.

Foi também detectado um reboque que efectuava o transporte de tomate “sem seguro, sem inspecção e com matrículas falsas, o que configura a prática de um crime”.

.