Não há soluções, há caminhos: 09 março

Quantas vezes estamos distraídos do que é fundamental e à procura de sinais extraordinários que nos orientem. Mas para ver os sinais que importam é preciso ter algum discernimento e liberdade interior. Pensamos que sinal é qualquer coisa de espantoso, que nos bate na cara, qualquer coisa de material, visível, quando há outros sinais interiores, não tão ruidosos, mas muito mais importantes, como a unidade de vida e o surgir da alegria e da disponibilidade, bem como do cuidado sereno com os outros. E é preciso estar atento para os captar bem.
Vasco P. Magalhães, sj
ONDE HÁ CRISE, HÁ ESPERANÇA

.