Rui Esteves recorda a incrível história do inicio da carreira em Fazendas de Almeirim

Numa entrevista recente ao Expresso, Rui Esteves, também antigo jogador do Benfica, explica como começou a carreira de treinador e as (fortes influências) que teve de António Botas Moreira.

Um dia quando regresso a Portugal, eu recebo um telefonema do meu atual padrinho de casamento, que não conhecia pessoalmente, o senhor António Rola. “O que é que estás a fazer?” “Não estou a fazer nada”. Pegou em mim e foi um dos meus mentores para eu ser treinador de futebol. Apresentou-me a um grande amigo meu, o senhor Botas, presidente do Fazendense, de Fazendas de Almeirim. Sou padrinho de casamento do filho dele. Mas na altura o António Rola convida-me a ir ver um jogo do Fazendense com o Mafra para eu ter uma ideia de como era a equipa. Estava a ver o jogo, há um jogador do Fazendense que estava a aquecer e que entrou. Estava eu, o presidente do Fazendense do meu lado direito e o António Rola e eu virei-me de repente e disse: “Eh pá quem é este tosco que entrou?”. Era o filho do presidente (risos). Entrei logo bem. O António Rola dá-me um safanão: “Está calado, é o filho do presidente”. No primeiro dia de treino, chamei-o: “Jorge chega lá aqui. Que idade é que tens?”. “28”. “Tens o curso de educação física?”. “Tenho”. “Queres ser treinador?”. “Eh pá, mas eu adoro jogar”. “Está bem, também jogas ai um bocadinho, mas eu quero-te ao meu lado”. Tirei um mau jogador para passar a ser um bom treinador. Era o filho do presidente. Consegui diplomaticamente dar a volta ao contexto. Fizemos um trabalho muito giro.”

Publicidade

A ligação, no entanto, não foi muito longa e Rui Esteve explica porquê: “Quando ia para o 2.º ano de contrato, tínhamos feito um campeonato extraordinário, mas a dois meses do fim, vou tirar o 2.º nível de treinador que era em Sesimbra. O horário do curso coincidia com o horário dos treinos do Fazendense, em Almeirim. Cheguei ao pé do presidente e disse-lhe que não ia treinar mais o clube. “Se sou responsável e estou sempre a dizer que não quero que os meus jogadores faltem ao treino, então vou eu faltar?”. Disse-lhe que tinha o Jorge, o filho dele, que eu tinha preparado e que podia ficar a tomar conta. E siga para bingo, foi assim que fiz. Perdi, se calhar, a oportunidade de dar continuidade ao bom trabalho que estávamos ali a fazer”, conclui.

.