Da esquerda para a direita : Reentré

Com o final de Agosto e início de Setembro, dá-se início, a uma parafernália de “inícios” de ano. Eles são o ano escolar, nas suas diversas etapas, é o ano jurídico, e claro, o ano político.

O início do ano político de 2018/2019, fica sem dúvida marcado pelo aluguer de um comboio, por parte do PS e todas as consequências que dai advieram para o comum e normal utilizador.

Não querendo ficar atrás na polémica, um dos partidos que suporta o governo e que tem por hábito realizar uma festa numa quinta (dito assim até parece conversa de capitalista!), continua a fazer ouvidos de marcador e a defender a sua ideologia política (se é isso que creem, acho bem que o façam, não devem é impor ou quer que os outros aceitem), e assim condicionar a partilha de livros para não ofender os convidados. Mas chega de falar dos outros, pois haveria muito para falar. No passado dia 8 de Setembro, em Ermesinde, o CDS-PP iniciou, oficialmente o seu ano político, com o mote “Festa das Famílias”, pois este é um dos pilares da Sociedade. Este início, mostra de forma clara que vem ai uma série de eleições, todas elas com importância respetiva.

Em maio será para o Parlamento Europeu, depois as Eleições da região Autónoma da Madeira e as Legislativas. Em todas elas, é importante o voto, mas acima de tudo, perceber que esta viragem, à extrema-esquerda, que se tem visto e sentido, em Portugal e em outros países com resultados catastróficos, não foi, não é, e nem será, solução para a sociedade. Estes regimes só funcionam de 2 formas, enquanto há dinheiro dos impostos nos cofres dos estados, ou na exploração do povo, usurpação da propriedade privada e direitos de liberdade.

.