Campo Pequeno Soberba noite de toiros

Realizou-se no passado dia 6 de setembro, no Campo Pequeno, uma corrida de toiros há muito esperada pela aficion portuguesa.
Comemorou-se os 20 anos de alternativa de Rui Fernandes, além de João Moura, o desejado regresso a Lisboa do “eterno” Pablo Hermoso Mendonza.
Praça cheia, um curro de toiros António Charrua de excelente apresentação e trapio.

João Moura no seu primeiro esteve regular, sem o fulgor desejado. No seu segundo esteve “soberbo, fazendo lembrar o Moura de outros tempos. Toiro com nobreza e bravura. João Moura teve nos compridos, de poder a poder, o início de uma lide memorável: toureio de risco, com três ferros curtos de antologia, com cites de praça a praça, com batidas ao píton contrário, rematando as sortes com temple e arte. Mestria e saber do toureiro de Monforte.
Pablo Hermoso Mendonza continua a ser um ídolo da aficion portuguesa. A sua classe e os seu toureio marcam a diferença.
No seu primeiro esteve “enorme”, com um recital de bom toureio, exímia forma de lidar, onde tudo parece fácil, com um temple fantástico, toureio pausado, com apontamentos para recordar.
No seu segundo, mais complicado, exibiu a sua grande classe de grande lidador e de toureiro “eterno”. Sentindo-se à vontade, a sua classe contagia o público, que o aplaudiu de pé.
Rui Fernandes esteve “inigualável”. No seu primeiro impôs a sua maturidade, reafirmou a sua alegria e irreverência.
No seu segundo elevou a altíssima fasquia, com grandes ferros em terrenos de compromisso.

No capítulo da forcadagem, os Forcados Amadores de Alcochete estiveram melhores dos que os de Évora: Por Évora pegaram João Madeira(4ª), Dinis Caeiro (1ª) e João Pedro Oliveira (4ª); Pelos Amadores de Alcochete pegaram João Macharaz (1ª), Pedro Belmonte (2ª) e o cabo Nuno Santana (1ª).
Dirigiu Manuel Gama, assessorado pelo veterinário Dr. José Manuel Lourenço.
Lidaram-se os toiros com 575, 562, 548, 570,570 e 590 quilos, respetivamente.

.