Da esquerda para a direita: Milagres

Algumas pessoas começaram agora a perceber as más decisões tomadas pelo atual governo, bem como a magia de um momento para o outro termos deixado de estar em Crise, palavra que foi mencionada vezes sem conta e durante anos.

Muitos alertaram para o perigoso caminho que esta governação estava a começar a fazer, mas foram muitos também os que optaram por não querer ver, por pensar que podia existir um milagre com esta governação.

Milagre é coisa que não tem existido, pois perante os dados divulgados pelo Banco de Portugal a 1 de agosto de 2018, a dívida pública continua a aumentar de ano para ano. Em Junho de 2018 ascendia a 246,7 mil milhões de euros e apesar de ser mais baixa do que em maio deste ano, onde atingiu um máximo histórico de 250,3 mil milhões de euros, voltou a atingir valores de janeiro de 2018, altura em que a dívida era de 243,6 mil milhões de euros. Isto quer dizer que a nossa dívida, afinal, em 2018 não está a diminuir, mas sim a aumentar cerca de 3 mil milhões de euros.

Verificamos aumento contínuo de dívida, mas piores serviços públicos e falta de verba para os sustentar (serviços, saúde, educação, …). Então para onde vai o dinheiro? Isto leva-nos a perguntar: Será que vamos conseguir baixar a dívida, a caminhar desta forma? Será que o nosso Sistema Nacional de Saúde, vai ter melhoras? E a educação? Quando é que a nossa dívida baixará? Quem irá contribuir para pagar esta dívida?

Milagres não existem. Devemos estar conscientes que o rumo não é este, para evitar o regresso dos tempos difíceis.

 

Vanessa Duarte – Inovar Almeirim

.