António José Cardoso de Foros de Benfica ordenado padre

Ordenação Padre António José Botas Cardoso, 43 anos, natural de Foros de Benfica, freguesia de Benfica do Ribatejo, incardinado na Diocese de Leiria-Fátima. Ordenado Padre no dia 22 de Abril de 2018, na Sé Catedral de Leiria. Celebrou Missa Nova na igreja paroquial de Benfica do Ribatejo, no dia 6 de Maio de 2018.

Primeiro, que significado teve para si esta última etapa (ordenação)?
Senti esse momento como prova de que Deus me ama e aposta cada vez mais em mim. Na verdade, sinto-me pequenino diante de tão grandes maravilhas que Deus vai fazendo na minha vida. Muitas vezes questiono-me: Como é que Deus me foi escolher para trabalhar no Seu campo? Eu, frágil, com as minhas fragilidades e limitações… como é que Ele me foi escolher, para ser canal que O faz chegar ao coração de tantas pessoas? Sendo padre Deus faz-me Seu representante no meio do Seu povo, entregando-Se ao povo, através de mim, no Altar da Eucaristia, num pedacinho de pão e num pouco de vinho, que se convertem no Seu Corpo e Sangue. Sinto-me como o barro nas mãos do Oleiro; eu sou o barro que o Oleiro, que é Deus, vai moldando e fazendo-me ao Seu jeito. Sou um homem feliz, que escutou o chamamento de Deus e Lhe respondeu com um SIM, sem medo e sem reservas.
SOU PADRE! SOU FELIZ! SOU DE DEUS!

Publicidade

É o resultado de muitos anos?
Sim, é o resultado de muitos anos. Ainda trabalhei durante alguns anos, primeiro como jovem agricultor, ajudando nomeia pai, e depois na construção civil, como pintor. Pelo facto de começar a trabalhar muito cedo fiz uma pausa nos estudos e, já na fase adulta, conclui o 12º ano de escolaridade. Mas Deus foi sempre insistindo comigo e não desistiu de mim. As 35 anos entrei no seminário e aos 43 fui ordenado sacerdote.

Quando percebeu e como que queria ser padre?
Deus, quando tem um plano para a nossa vida não desiste de nós, ou seja, Ele tem um plano para cada um de nós. Tinha e tem um plano para mim e tem um plano para ti que estás a ler estas palavras, por isso, Ele também não desiste de ti, independentemente da situação da tua vida. Contudo, é necessário estar atento aos sinais que ele vai dando ao longo da nossa vida.
Sempre fui uma pessoa muito ligado e interessado nas coisas de Deus e apesar de desempenhar alguns serviços na Igreja, sempre senti que Deus me chamava a algo mais; cedo cheguei a pensar em ser padre, mas ao mesmo tempo achava que eram ideias minhas. Mas era isso que Ele queria para mim, por isso Ele não desistiu, e foi-me dando sinais concretos de que me chamava ao sacerdócio. Durante este processo de discernimento, Ele agiu na minha vida por meio de sinais e colocando pessoas concretas ao meu lado, servindo-se delas para me chamar a entregar-Lhe toda a minha vida. Dei-Lhe o meu sim em 2005, quando entrei na Comunidade Luz e Vida, em Albergaria dos Doze, na Diocese de Leiria-Fátima. Vivi na referida Comunidade durante 4 anos, sendo acompanhado pelo Pe. Filipe Lopes e pelo Pe. Marcelo de Moraes, ambos padres da diocese de Leiria-Fátima, e em 2009 entrei no seminário diocesano de Leiria; em 2010 entrei no Seminário Maior de Cristo Rei dos Olivais em Lisboa e iniciei os estudos no Mestrado Integrado de Teologia. Fui Ordenado Padre no dia 22 de Abril de 2018, na Sé Catedral de Leiria. Um processo demorado, mas Ele não desistiu de mim, dando-me forças. Ele não desiste de ti!

Como se define?
Sou uma pessoa simples, amiga, sincera. Dizem que sou sorridente. Acho que é verdade. Sou também muito sensível aos problemas dos outros. Contudo, hoje a vida ensinou-me a antes de tomar uma decisão, seja pessoal ou em favor dos outros, tento não fazer nada sem primeiro escutar a voz de Deus, tentar perceber qual a Sua vontade para essa situação. Sinto-me amado por Deus e por isso defino-me como um homem feliz.

Que tipo de trabalho tem pela frente?
Em primeiro lugar, tenho a tarefa de fazer chegar Deus ao coração e à vida de cada pessoa, que fazem parte do povo que Deus me confiou. Procurarei ser um canal por onde Deus passa para chegar a cada pessoa. Recentemente, o Bispo de Leiria-Fátima, o Cardeal D. António Marto, nomeou-me pároco de duas paróquias desta diocese, Pedreiras e Juncal, onde irei entrar no dia 30 de Setembro; por isso, também terei a tarefa de gerir estas duas paróquias e entregar-me totalmente ao serviço deste povo em concreto que me foi confiado por Deus.

O seu discurso será mais inovador e moderno?
Procurarei sempre que meu discurso seja inspirado por Deus. Confio que seja Ele a agir em mim pela força do Seu Espirito Santo. Deus conhece a realidade atual do Seu Povo, Ele está atento ao Seu Povo. Por isso, rezo para que eu esteja sempre aberto à Graça de Deus na minha vida, para que a Sua mensagem possa passar por mim e chegar aos corações daqueles que hoje necessitam de ser tocados e consolados por Este Deus que é Pai, Amor e Misericórdia na vida de cada um de nós. No entanto, quero que o meu “discurso” seja sempre segundo o Evangelho e, por conseguinte, segundo a Igreja, que não procura senão anunciar o Evangelho de Jesus Cristo em tudo.

Como foi a receção das pessoas de Benfica na 1ª missa?
Quanto a isso, acho que tudo aquilo que eu falar será pouco para agradecer todo o carinho e trabalho que teve aquele povo, para que aquele dia fosse um dia de festa e de Ação de Graças a Deus. Houve um grande empenho de todos, a começar pelo Pe. Tiago Pires, pároco de Benfica do Ribatejo, que foi quem teve no comando de todas as iniciativas. Além do povo em geral, estiveram também presentes o Agrupamento de Escuteiros de Benfica do Ribatejo, e o Rancho Folclórico de Benfica do Ribatejo. Também contei com o apoio e a presença da Junta de Freguesia de Benfica do Ribatejo, na pessoa da Srª. Presidente da Junta Cândida Lopes, e também da Câmara Municipal de Almeirim, na pessoa do Sr. Presidente da Câmara Pedro Ribeiro. Ali, na primeira missa era visível a alegria por um filho da terra ser sacerdote do Senhor.

O Papa tem sido um construtor de pontes, de encontro e entendimento entre os povos e uma imagem de Igreja muito mais próxima do Evangelho, muito evangélica. Concorda?
Sim, concordo! O Papa Francisco abre-se completamente à Graça de Deus e deixa-se iluminar pelo Espirito Santo, que atua na sua pessoa.

E do que vai observando, o Papa está a conseguir contagiar para essa proposta de Igreja?
Sim, claramente. Como eu dizia anteriormente, o Papa Francisco, abre-se completamente à Graça de Deus e deixa-se iluminar pelo Espirito, e Deus que conhece as necessidades do seu povo, atua e chega ao coração da humanidade através do Papa Francisco.

O Papa Francisco nomeou, recentemente, o padre José Tolentino Mendonça, vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa, como arquivista e bibliotecário “da Santa Igreja Romana”, elevando-o à “dignidade” de arcebispo. E também, recentemente, criou D. António Augusto dos Santos Marto, bispo da diocese de Leiria-Fátima, Cardeal. Esta é uma boa notícia para Portugal?
Sim, não deixa de ser uma boa notícia para o nosso país, aliás, o nosso país atualmente tem uma forte presença e ligação com a Santa Sé, na cidade do Vaticano em Roma. Isto verifica-se com a nomeação do D. José Tolentino Mendonça, e ainda mais com a recente criação de D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, como Cardeal, colaborando assim mais diretamente com o Santo Padre, fortalecendo assim a ligação entre Portugal, incluindo o Santuário de Fátima, e a Santa Sé. Mais uma vez verificamos aqui Deus a atuar pelo Espirito Santo na Sua Igreja.

 

Família

”Para os que me conheciam e caminhavam comigo, digamos que lhes causou um certo impacto, mas não propriamente uma admiração ou surpresa, porque de certa forma caminhavam comigo e acompanhavam o meu percurso esperavam talvez isso. Até mesmo a minha família, a começar pelos meus pais, sempre me apoiaram nesta minha decisão. De certa forma, também os meus pais foram escolhidos por Deus, que lhes deu uma missão, a de oferecer um filho para ser Sacerdote à Sua Igreja, para estar ao serviço do Seu povo”.

 

Ordenação

O sacramento da Ordem é constituído por três graus: episcopal, presbiteral e diaconal. Cada qual possui um rito de ordenação próprio, porém o comum entre eles é a imposição das mãos e a prece de ordenação.
O segundo grau do ministério da Ordem é o presbiteral, denominado também por sacerdotal. Segundo o Pontifical Romano, a ordenação presbiteral é constituída por seis partes: eleição do candidato; homilia; propósito do eleito; ladainha; imposição das mãos e prece de ordenação; unção das mãos e entrega da patena e do cálice.
Como as demais ordenações, a sacerdotal é realizada dentro da Eucaristia. Logo após a Liturgia da Palavra, dá-se início ao Rito de Ordenação Presbiteral.

.