Quem é Cândida Lopes?

REVELAÇÕES A atual Presidente de Junta de Benfica do Ribatejo conta, em
entrevista a O Almeirinense, algumas curiosidades. Conheça-a melhor.

Se lhe perguntarem quem é a Cândida Lopes, como se define?

No trabalho sou uma pessoa responsável, prática, disponível para ouvir e ajudar no que puder e sempre com a ambição de melhorar. Na minha vida privada, apesar do pouco tempo disponível, tento ser uma boa mãe e esposa. Alguma vez, nos seus tempos de escola, imaginava ser presidente de junta? Não, nunca me passou pela cabeça. Só quando me foi feito o convite, poucos meses antes das eleições, pensei nessa hipótese e inicialmente nem era minha intenção aceitar. Estamos na quinzena da enguia.

Chegou a dizer-se que tinha medo de enguias. Tem?

Não.

Como gosta mais de as comer?

Ensopado.

Isso chegou a ser alvo de brincadeira com Ceia da Silva?

Sim, foi um mal-entendido. Estávamos a almoçar e eu estava a comer as enguias, uma colega que estava na mesa é vegetariana, o Sr. Constantino das Enguias, em Foros de Benfica, verificando que a sra. em questão não comia, resolveu trazer-lhe um bife. Ora, ela de imediato agradeceu ao sr. e olhou para mim (com um olhar “e agora?”). Eu, percebendo que ela não podia comer carne, disse-lhe: não vamos fazer a desfeita ao sr. Constantino, eu trato do assunto. E assim foi, estando eu a fazer uma boa ação, o Dr. Ceia da Silva acabou por brincar com a situação. Mas é de referir que como e gosto de enguias.

E cozinhar enguias, sabe?

Não. Para isso temos os especialistas nos restaurantes da nossa freguesia.

Em casa quem é que faz a comida?

Tanto eu como o meu marido cozinhamos, depende da disponibilidade de cada um.

Qual o seu prato preferido para comer?

Polvo com batatas a murro. E para fazer? Bacalhau com natas.

O que retirou de melhor e pior da vida militar?

Da vida militar retirei alguns bons hábitos, como a disciplina, organização, método de trabalho, espírito de equipa, respeito por todos. Obviamente, como algumas coisas já nascem connosco ou são-nos ensinados pelos nossos pais, a vida militar só vem reforçar e acentuar certas coisas. Negativamente não tenho nada a apontar aos anos em que servi com orgulho o nosso país. Há algumas coisas que ainda apliquem hoje em dia na Junta? Sim, tudo o que referi anteriormente, e não exijo nada que eu própria não possa fazer, pois não sou melhor nem pior que ninguém. O trabalho de equipa é fundamental e se todos derem o seu melhor e tiverem boas intenções é o melhor caminho para obter sucesso. Como era na escola?

Disciplinada e discreta.

Lembra-se se era muito traquina?

Nem por isso, era uma criança relativamente calma.

Que traquinices fazia?

Não me lembro.

Levou muitos castigos dos pais?

Alguns, sempre na altura certa. Sempre admirei os meus pais por isso e tenho muito orgulho dos castigos que tive. Fizeram de mim a pessoa que sou hoje.