Da esquerda para a direita: Dia da Mulher

No passado dia 8 de março comemorou-se mais um Dia Internacional da Mulher. Neste dia, e muito bem, a maioria das mulheres aproveita para se mimar um pouco, ora é mais uma roupa nova, um cabeleireiro, uma saída para jantar com as amigas, etc.

Porém, não nos devemos esquecer daquilo que esteve na génese deste dia, ou seja, da luta pela igualdade económica, social e laboral das mulheres, que deve ser sempre lembrada e que infelizmente está longe de estar terminada. Durante muito tempo, a vida da mulher resumiu-se a exercer as funções de esposa, de mãe e dona de casa. Mais tarde, com a Revolução Industrial, a mulher adquiriu o “direito de trabalhar”, isto porque era mão de obra barata, já que as desigualdades salariais entre mulheres e homens eram acentuadas.

Mas as mulheres nunca baixaram os braços na luta contra as desigualdades. Apesar de ao longo dos tempos a mulher se ter vindo a afirmar na sociedade, certo é que em pleno século XXI as desigualdades de género ainda estão patentes na nossa sociedade, o que facilmente se pode verificar a título de exemplo, em termos de remuneração média, as mulheres ganham menos do que os homens, independentemente da sua formação e competência e também estão em menor representação nos órgãos de decisão. Que se continue a comemorar o Dia Internacional da Mulher, lembrando as conquistas alcançadas, mas refletindo-se, sobretudo, sobre o caminho que ainda existe por percorrer em busca de iguais oportunidades entre homens e mulheres.

A luta por uma sociedade mais justa continua até que o preconceito se esvaia e olhem para nós, mulheres, de igual para igual.

 

Ana Casebre – PS Almeirim