“Toda a população se deve orgulhar dos Ranchos Folclóricos”

MUDANÇA Carlos Braz é o novo Presidente da direção do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim. As eleições realizaram-se, no dia 9 de março, depois do pedido de demissão de Mário Cláudio.

O que o levou a apresentar a candidatura ao Rancho Folclórico da Casa do Povo?
Como deve ser do vosso conhecimento, eu era até então vice-presidente deste grupo, e após a demissão do até então presidente do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim, Mário Cláudio, e depois de falar com os outros elementos pertencentes à mesma direção, visto que teríamos que fazer novas eleições, pensei então formar uma lista que a meu ver seria credível para continuarmos a levar o bom nome do grupo e da nossa terra por todo o país e fora do mesmo, como sempre foi durante todos os anos da sua existência.

Qual o projeto para o Grupo?
O projeto da nova direção deste grupo é continuar como tem sido até aqui, a divulgar e preservar as nossas tradições, levar as nossas danças e cantares e o bom nome da nossa cidade de Almeirim a todos os locais onde sejamos solicitados, sempre com a mesma força, alegria e responsabilidade que tem sido até então.

E para a Escola?
Para a Escola de Folclore o nosso intuito será sempre o mesmo: formar e ensinar crianças e jovens no folclore para que possam dar continuidade ao grupo adulto, como tem acontecido ultimamente, de onde já transitaram para esse grupo vários elementos que passaram pela nossa escola.

Passa também pelos seus planos aumentar o quadro de elementos, principalmente jovens?
Sim, é esse o plano, e não só é o meu objetivo como o de todas as pessoas que fazem parte da lista que foi eleita para esta direção, tentarmos por todos os meios levar a bom porto o nome do nosso Rancho, como também o da nossa terra. Temos plena consciência que nos tempos que correm, e por razões óbvias, é cada vez mais difícil conseguir trazer jovens para o folclore, mas vamos tentar fazer o melhor que pudermos.

E ainda há trabalho a fazer na pesquisa de reportório?
Em relação a pesquisa de reportório, e tendo em conta que o Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim tem um vasto reportório desde há mais de 60 anos, penso que, mesmo assim, eu diria que existem sempre coisas “novas” que ficaram esquecidas e que se podem vir a aprender para melhorar aquilo que são as nossas tradições.

A sua eleição fica também ligada à saída de Mário Cláudio. Têm ideias muito diferentes para o Rancho de Almeirim?
Sim, a apresentação da nossa lista para a direção deste grupo deveu-se ao facto do pedido de demissão do até então presidente Mário Cláudio.
Em relação a ideias diferentes, acho que todos as podemos ter e aí só temos que falar entre todos para que as possamos pôr em prática e assim levarmos este grupo para diante como acho que sempre foi o objetivo de todas as pessoas que até agora passaram pela direção do mesmo.

Depois da demissão de Mário Cláudio ainda o chegou a convidar para a sua lista?
Depois da demissão de Mário Cláudio, e depois de eu e outras pessoas da até então direção deste grupo falarmos com ele e até tentarmos que ele voltasse atrás com a sua decisão e este não se mostrar disponível para isso, ao falarmos entre todos os elementos que fazem parte da nova direção nunca se falou em convidar o Mário para pertencer a esta lista, não que ele não pudesse vir a pertencer à nossa lista, mas sim pelos motivos que ele apresentou na sua demissão.

Qual a sua posição na venda do imóvel da Casa do Povo, junto aos Bombeiros Voluntários de Almeirim?
Em relação a esta pergunta não me quero pronunciar, até porque o assunto Casa do Povo nada tem a ver com o Rancho Folclórico, são duas coisas completamente diferentes, como deve ser do vosso conhecimento.

Há espaço para tantos ranchos no concelho?
Em relação ao “espaço” para tantos Ranchos no nosso concelho, eu pessoalmente acho que há espaço para todos e até para mais algum que possa vir a aparecer, acho também que o nosso concelho e toda a população que faz parte dele se deve ORGULHAR pelos excelentes Ranchos Folclóricos que tem o concelho de Almeirim, sem exceção de nenhum, porque, a meu ver, podemo-nos orgulhar de ser dos conselhos que têm dos melhores Ranchos Folclóricos a nível nacional.

Historial
Portugal e estrangeiro

Fundado em 24 de fevereiro de 1956, fruto do entusiasmo regionalista que então surgiu com a Feira do Ribatejo de Santarém, reuniram-se boas vontades que tudo fizeram para que o Rancho Folclórico fosse uma realidade.

E foi. Estreou-se em 27 de maio do mesmo ano, na Praça de Touros de Almeirim. Trajes tradicionais, folclore recolhido do cancioneiro popular do concelho de Almeirim, e uma juventude encantada por poder contribuir para o desenvolvimento cultural de Almeirim.
A partir de então, foi Portugal de Norte a Sul que o tem visto dançar. O estrangeiro passou a solicitar a sua presença em destacados festivais internacionais e vários certames culturais em que a música e a dança tinham lugar destacado: Espanha, França, Bélgica, Holanda, Itália, Marrocos, Angola, S. Tomé e Príncipe, Suíça, Hungria, Canadá, Dinamarca, Checoslováquia e Território Português de Macau.

Pessoa Coletiva de Utilidade Pública (D.R. de 24 de Fevereiro de 1997)
Filiado na Federação do Folclore Português.

Discografia
Desde 1950

O Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim, ao longo da sua vida tem gravado para várias editoras temas do seu repertório recolhido no nosso concelho nos anos 1950 no começo do grupo, temas esses que vários artistas portugueses têm aproveitado para incluírem na sua discografia.

A grande Amália Rodrigues gravou o Fadinho da Tia Maria Benta e os Caracóis; Tonicha, Vai de Ruz Truz Truz; Roberto Leal, Fadinho da Tia Maria Benta também, entre outros.

Escola

Em 23 de abril de 1961 foi estreado em Almeirim o Rancho Infantil com repertório diferente, este agrupamento foi sempre o “alimentador” do rancho em termos de elementos jovens, que ao atingir uma maior idade se mudavam (alguns) para o nosso grupo.

Com alguns interregnos pelo seu percurso, este rancho infantil viria a terminar já no princípio dos anos 2000.

A partir desta data, sentiu-se alguma dificuldade em angariar jovens de ambos os sexos para pertencerem ao grupo. A esta dificuldade juntou-se a vontade de muitos pais que queriam que os seus filhos andassem num rancho infantil, ou por vontade das crianças, ou por desejo dos país de os manterem ocupados numa atividade lúdica, de grande interesse local, onde poderiam aprender alguns usos e costumes dos seus antepassados.
A ideia foi sendo alimentada nesses contactos de rua, até que, por sugestão do Presidente da Câmara de então, Sousa Gomes, e com a garantia do seu apoio, avançou-se neste árduo projeto.

Iniciaram-se alguns contactos para aferir da viabilidade deste projeto, e no dia 18 de novembro de 2008, na Casa do Povo de Almeirim, fez-se o primeiro ensaio da Escola de Folclore, como parte integrante do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim.
A adesão foi excelente por parte dos pais e familiares, que fizeram questão de aparecerem em força neste primeiro dia, dando muita força para iniciar um novo projeto na vida deste Rancho. Os ensaios começaram, e após o grupo estar preparado para dançar em público e de ter os trajes devidamente escolhidos e prontos, pensou-se na sua estreia. Estreia essa que aconteceu no dia 4 de setembro de 2010, no palco principal do “Pão, Vinho e Companhia”, em Almeirim, a anteceder o nosso Festival Nacional de Folclore. Após rasgados elogios por parte do público presente e de pessoas com responsabilidades nesta área do folclore, esta Escola continuou a apresentar-se em vários eventos para que era convidado, tanto em Almeirim, como fora, tendo realizado já o seu primeiro encontro infantil de folclore no dia 25 de fevereiro de 2012.

Com esta Escola de Folclore, devidamente trajada, conforme recolha feita para a sua constituição, esperamos muito sinceramente estar a prestar um bom serviço ao Folclore de Almeirim, assim como ao Folclore Nacional, na defesa e divulgação das nossas tradições culturais, das nossas danças e cantares.
Sendo esta Escola de Folclore pertença do Rancho Folclórico da Casa do Povo de Almeirim, esperamos também poder contar com estes jovens no futuro, para assim integrarem o grupo adulto.

Os ensaios realizam-se todas as sextas-feiras, perto das 21h30.