Águas do Ribatejo entra em plano de contenção e redução de consumos devido à seca

A empresa intermunicipal Águas do Ribatejo faz um apelo aos consumidores para o uso eficiente da água de modo a que seja possível garantir o devido abastecimento. Devido ao período de seca que se atravessa a empresa é obrigada a implementar um plano de contenção e redução dos consumos em vários locais de um universo de 2340 km2 e 150 mil consumidores.

Em comunicado a empresa assegura que que trabalha diariamente para “garantir um serviço de eficiente e seguro, monitorizando todos os parâmetros de qualidade, a quantidade de água produzida e as perdas de água”. A Águas do Ribatejo é responsável pelo abastecimento de água nos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Coruche, Salvaterra de Magos e Torres Novas.

O plano de contenção e redução dos consumos acontece porque a empresa se viu confrontada com consumos muito acima dos normais e aceitáveis em vários sistemas. Para contrariar esse facto, o Conselho de Administração da AR, decidiu intensificar as campanhas de sensibilização para o uso eficiente da água evitando qualquer tipo de desperdício e limitando o consumo ao estritamente necessário nos períodos de mais calor.

Considerando:

  1. A Resolução do Conselho de Ministros nº 80/2017 de 7 de junho de 2017, onde é patente a constatação da existência de períodos de seca, o seu impacto nas disponibilidades hídricas e o seu possível agravamento com o efeitos das alterações climáticas.
  2. A missão da Águas do Ribatejo de fornecer com qualidade e quantidade água às populações dos municípios que a integram, respeitando o meio ambiente e protegendo o recurso água no seu meio natural;
  3. A presente situação de persistência de temperaturas elevadas e ausência de precipitação que se verifica nos municípios onde a AR atua como entidade de gestora;
  4. Todas as previsões conhecidas que apontam para um futuro com ondas de calor por períodos mais longos;
  5. A sobre-exploração das águas subterrâneas em todas as suas utilizações, que altera a qualidade das águas captadas.

Nesse sentido apelam às autarquias, instituições, industrias, comércio e consumidores domésticos que adotem as seguintes medidas de contenção dos consumos:

  1. Evitar as regas e lavagens de pavimento, edifícios ou viaturas nas horas de calor.
  2. Evitar encher piscinas com água da rede pública e se o fizerem que seja durante a madrugada.
  3. Optar por duches rápidos em vez de banhos de banheira.
  4. Verificar a existência de roturas ou fugas de água com regularidade.
  5. Substituir as torneiras, os autoclismos e os equipamentos com fugas de água.

A empresa relembra que a água potável é um bem precioso e escasso e que temos de lhe dar o devido valor assumindo o compromisso do seu uso eficiente e racional. A incerteza e imprevisibilidade da seca e dos seus impactos justificam que se dedique uma atenção permanente a este fenómeno e não apenas uma atuação reativa a situações extremas.

Apelam ainda a que se assumam comportamentos responsáveis relembrando que os sistemas estão preparados para garantir o abastecimento sem constrangimentos, nem suspensões no abastecimento.