Passado, presente e futuro de… Inês Almeida

Inês Almeida tem 27 anos e é diretora Técnica e gerente de “Os Conquistadores”. É natural de Santarém, adepta do Sporting Clube Portugal e é Educadora Social. É casada e tem um filho, o Vicente, com 4 anos. Criou o seu próprio emprego em Almeirim, pois foi aqui que surgiu a oportunidade de abrir o CATL Os Conquistadores.

Em relação à política diz que gosta “de estar atenta ao que nos rodeia, ou seja, saber o que se passa a nível nacional e internacional. Perceber a influência que determinadas decisões políticas têm na nossa vida pessoal e profissional. Faço questão de usufruir do meu direito de voto e não ser contabilizada para uma maioria absoluta.Considera que Almeirim, apesar de ser uma cidade, parece um meio bastante rural onde todos se conhecem: “Fui muito bem recebida pela população em geral quando resolvi vir trabalhar para cá. Gosto de toda a envolvência, é uma cidade com bons acessos e onde consigo com facilidade resolver questões do dia a dia sem me deslocar a Santarém. Gosto das zonas verdes, dos passadiços e do circuito de manutenção onde costumo correr.

Em termos de autarquia, também funciona muito bem e sempre que preciso de colaboração da câmara sinto que há uma grande abertura para ajudar. Se lhe concedessem 3 desejos, Inês Almeida diz que “tem muitas pessoas que gostava de ajudar e também não quero enumerar utopias. Mas, um dos desejos seria, sem dúvida, ajudar a Fundação Maria Cristina que foi fundada pela Maria Conceição, uma pessoa extremamente altruísta.  A Maria dedicou-se a ajudar a mudar a vida das crianças no Bangladesh e neste momento está a fazer várias provas desportivas para angariar fundos para que estas crianças tenham direito aos estudos e não sejam obrigadas a trabalhar e casar ainda na pré-adolescência. Neste momento ela está a fazer o 6X6 Ironman, que consiste em fazer seis provas de Ironman em seis continentes em seis semanas (https://www.facebook. com/mcfPT/).”

Onde estava há dez anos?

Tinha 17 anos, portanto estava a estudar! Frequentava o 12º ano no Liceu Sá da Bandeira.

Hoje onde está? Fez a opção certa?

Sim. Considero muito importante fazermos pessoalmente e profissionalmente o que gostamos. Já tinha trabalhado durante três anos no Colégio Lusitanos em Santarém, também na valência de CATL, onde adquiri muitos conhecimentos na área. Entretanto, numa conversa informal com o professor de faculdade, Luís Jacob, (fundador da RUTIS) tive conhecimento desta oportunidade de negócio. Refleti bastante sobre os prós e contras e resolvi arriscar.

Onde se vê daqui a dez anos?

Vejo-me aqui. Pessoalmente creio que, quando se tem um projeto próprio, a ambição passa por conseguir superar desafios, obstáculos e manter o negócio sempre numa perspetiva de evolução gradual. No entanto, também sei que o amanhã é uma incerteza e estou sempre à procura de novos desafios.

.