Correr?

Bom, antes de mais, gostava de deixar bem claro que este texto não é, de todo, um incentivo à prática deste desporto. A Corrida, ou running, como dizem as pessoas fixes, embora ao alcance de todos, não é para todos.

Isto porque não é uma atividade capaz de despertar um vício, ou paixão, logo da primeira vez que se pratica…bom, sejamos sinceros, nem da segunda vez. São inúmeras as vezes que sou abordado por amigos que não conseguem perceber de onde vem a minha motivação para me levantar de madrugada para correr… só por correr. “Ainda se fosse atrás de uma bola…” dizem. Ora, na minha humilde opinião, ninguém começa a correr porque gosta. E mais, NINGUÉM se levanta de madrugada para correr, com vontade. Começamos a correr pela necessidade de fazer algum desporto. Até porque… é correr… basta calçar uns ténis e fazermo-nos à estrada. Com o tempo, começamos a ter um objetivo, a necessidade sobrepõe-se à vontade, e surge a primeira prova. O meu batismo foi, tal como a maior parte dos atletas da região, os 20 Km de Almeirim, no ano de 2010. Dois anos mais tarde, dei por mim a acabar a Maratona de Lisboa… e quatro anos depois, a do Porto, onde terminei com 3h e 20. Então e o Trail? Quem? O Trail running. Bom, por volta de 2012, ouvi falar pela primeira vez em Trail. E o que é o Trail? O Trail surge da junção da corrida, com a necessidade de subir e descer Serras a alta velocidade, originando assim um misto fantástico, onde ganha quem acabar com os joelhos esfolados e os pés torcidos. Que tal? Parece divertido, não acham? Esta modalidade trouxe com ela um leque enorme de provas, situadas, muitas delas, em zonas lindíssimas do nosso País.

Muito sinceramente, não fui a muitas provas de Trail, mas já treinei em sítios fantásticos, tal como Sintra, Montejunto, Serra D´Aire e Serra da Estrela. Uma coisa é certa, se não fosse esta modalidade, não tinha noção do quanto o nosso País tem para oferecer. A Madeira. Bom e como não há duas sem três, propusme a outra Maratona. Os últimos 42 Km do MIUT – Madeira Island Ultra Trail (115 km). Esta prova tinha “apenas” 1200 + de altimetria e mais de metade seria passada a descer, portanto previ que o ritmo fosse rápido. Às 9h da manhã, os autocarros partiram de Machico em direção à Ribeira das Cales, sendo que, às 11 horas, quando o sol já queimava, ouviu-se o soar da partida. Depois de várias descidas rápidas, de presenciar várias quedas, ajudar alguns lesionados e fazer uma boa subida, cheguei ao abastecimento do Poiso bastante cansado. À pressa, meti dois copos de Coca-Cola no “bucho”…alguns quartos de laranja, amendoins e vários cubos de queijo (os abastecimentos eram excelentes). Enchi a garrafa de água e preparei-me para a outra metade da prova que seria só a descer… bom, pelo menos era o esperado. A verdade…é que na Madeira, até as descidas custam, e bolas, que estas custaram mesmo!!! Ao passar Larano (32 Km mais ou menos) ia com um bom ritmo, sentia-me bem, porém… as “Levadas”, que se encontravam mais à frente, “levaram-me” a melhor, não prevendo que aos 40 km eu estivesse completamente esgotado… “Bom, mas se foi aos 40, quer dizer que só faltavam 2 km… aí já não custa” Pois…não é bem assim, depois de 40 km, grande parte deles a correr e principalmente a descer, as nossas pernas já não obedecem… e por vezes até têm vontade própria. Mas pronto, andando e correndo, em grande esforço lá continuei, até que, por fim, entro naquela que seria a última descida para a meta… Ao chegar ao último km sou completamente abraçado pelos gritos dos Madeirenses, gritando “força”, “é já ali”, “Já és um vencedor”… Podia tentar explicar qual a sensação de chegar à meta…. Mas, a verdade é que esta sensação só pode ser realmente entendida por quem já passou por ela. “Rodrigo, então e as paisagens da Madeira…?” Bom, estaria a mentir se dissesse que desfrutei das paisagens da Madeira. A minha prova foi feita em ritmo rápido, por isso não me preocupei em ver o que me rodeava… ainda sou um estagiário nestas coisas. O tempo e as provas farão com que dê mais atenção a esses pormenores.”

 

Rodrigo Galão – Atleta