Atletas especiais do CRIAL atingem provas nacional

Nuno Alves é o responsável dos mais recentes sucessos dos atletas do Centro de Recuperação Infantil de Almeirim (CRIAL). O professor de Educação Fisíca falou ao Jornal Almeirinensedos mais recentes sucessos, da importância do desporto e do futuro dos jovens atletas.

Que balanço faz do trabalho na área do desporto, no CRIAL?

O balanço é bastante positivo. Temos desenvolvido vários projetos na área do desporto, colocando ao dispor desta população um vasto leque de modalidades e atividades lúdico-desportivas.

Quais as maiores dificuldades no trabalho com pessoas com necessidades educativas especiais?

Ao trabalharmos com pessoas com necessidades especiais temos de procurar conhecer as suas capacidades, limitações, potencialidades e expetativas, de modo a que a nossa atuação vá ao encontro da especificidade de cada um. Desenvolver atividades físicas e desportivas que se adequem a essa individualidade, nem sempre é fácil. Outra dificuldade prende-se com a complexidade que existe em algumas modalidades e que, por isso, não as tornam acessíveis a todos. Para ultrapassar isso, desenvolvemos adaptações que permitam que um elevado número de clientes consiga participar.

Mas existirão também (muitos) aspetos positivos? Quais?

Claro que sim. Um dos aspetos mais positivos é a satisfação que os nossos clientes demonstram diariamente nestas atividades. Além disso, existem aprendizagens significativas em vários desportos, que muitas vezes nos surpreendem. É também muito boa a reação dos nossos atletas a todas as modalidades novas. Como exemplo disso, temos o Judo, o Corfebol e o Hóquei, que foram introduzidos no último ano e foram recebidos com muito entusiasmo e empenho.

Que momentos ou reações mais marcantes já viveu com as crianças e jovens do CRIAL?

Existem vários momentos marcantes. Vou mencionar um que aconteceu no ano passado, no Campeonato Nacional de Desporto Escolar, em Aveiro. Participámos com uma atleta em cadeira de rodas na modalidade de Boccia. Além do brilhante resultado obtido – o segundo lugar nacional – as experiências que proporcionámos a esta menina ultrapassaram em muito o nível desportivo. Ela, com dezasseis anos, viu pela primeira vez o mar, o fogo-de-artifício, assistiu
a um concerto e andou de barco. Foram momentos emocionantes.

Os resultados do Corta-Mato serviram de pretexto para esta conversa, mas os atletas do CRIAL têm outras atividades?

Sim, os nossos clientes têm várias atividades ao seu dispor na instituição. As que são desportivas estão a meu cargo e da Técnica de Educação
Especial e Reabilitação, Andreia Almeida. A Andreia está com eles na Natação e na Equitação, e eu estou com eles no Judo, Futebol, Rugby, Atletismo, Corfebol, Boccia, Hóquei, Andebol e no Basquetebol.

Quais têm sido os resultados?

Na maioria das atividades que mencionei, existem encontros desportivos entre equipas das instituições similares ao CRIAL, no âmbito distrital ou regional. Referindo apenas o último ano, destaca-se o resultado coletivo da equipa do CRIAL no Torneio de Hóquei, com o segundo lugar. No Triatlo Adaptado, conseguimos o primeiro lugar na prova individual masculina, com Luís Nunes. No Atletismo, na prova de Corta-Mato, tivemos alguns clientes nas primeiras posições dos respetivos escalões: dois primeiros lugares para o Leandro Mendes e a Maria Cristiana Carmo, e dois segundos lugares para o Luís Nunes e a Rita Santos. No Projeto do Desporto Escolar, o atleta Luís Nunes ficou em primeiro lugar na Prova Adaptada do Campeonato Nacional de Corta-Mato, que decorreu em Vila Nova da Barquinha, em 2011. No ano passado, a atleta Lúcia Cardoso ficou em segundo lugar no Campeonato Nacional de Desporto Escolar na modalidade de Boccia, na divisão I1, que teve lugar em Aveiro.

Ficou surpreendido com os resultados da Maria Cristiana e da Rita Santos?

Sim, fiquei surpreendido. Sei que elas tinham capacidade para fazer boas provas mas não esperava dois primeiros lugares.

O que poderão agora fazer no Nacional?

O Campeonato Nacional em Torres Vedras é mais exigente. Estarão presentes as 24 primeiras classificadas por escalão das várias coordenações de Desporto Escolar do País. Mas acredito que, se mantiverem a postura que tiveram na prova de Almeirim, possam chegar ao pódio.

Que tipo de treino fazem?

As duas atletas agora apuradas, frequentam as aulas de Educação Física, e a preparação para estas provas é feita nesse contexto. Utilizamos o Parque Desportivo Municipal de Almeirim e o Circuito de Manutenção para treinar. Qual a importância da atividade física e do desporto nestes jovens? A prática da Atividade Física e do Desporto são fundamentais para o desenvolvimento físico e psicológico destes jovens. Como não praticam outras atividades desportivas externas, torna-se ainda mais importante esta área. Através dela temos ganhos significativos na saúde e no bem- estar.

Temos atletas para conseguir, a breve prazo, um resultado de relevo a nível nacional?

Penso que sim. Temos atletas novos, como é o caso da Rita e da Maria Cristiana, que têm potencialidade. Iremos continuar a trabalhar para melhorar o seu desempenho e atingir resultados de maior relevância.