“A exportação é claramente o meu objetivo e aposto na qualidade”

Mariline Oliveira é médica, mas lançou, recentemente, a marca Mary Berries. Para já a produção está focada no morango, no entanto, a exploração ainda que pequena tem como objetivo o teste um sistema novo de produção e a exportação.

Recentemente lançou a marca Mary Berries. Viu aqui um mercado com potencialidade?!
A região de Almeirim têm ótimas condições edafoclimáticas (Primavera/verão) para a produção destes frutos, particularmente o morango, framboesa e a amora. Os frutos vermelhos têm grande procura nos países mediterrânicos, norte e centro da europa, norte de africa, na sua própria época de produção, ou seja, na primavera/verão, tendo no resto do ano uma procura muito menor, sendo que os preços tendem a ser muito superiores pelo facto de existirem maiores dificuldades na sua produção. O equilíbrio de soluções nutritivas, o maior recurso a tratamentos no período de inverno, muito em particular provocados pela excessiva humidade, frio, menos luz e a inexistência de outras plantações para alojamento das pragas. O recurso à produção em forçagem (em estufas) torna-se a solução mais assertiva para conseguir ter frutos de qualidade, quando as condições climáticas são adversas.
Embora o consumo de morango seja inferior nesta altura do ano em Portugal, existem países onde esse mesmo consumo é elevado, como é o caso do norte e centro da Europa. Esses consumidores estão disponíveis para pagar o justo valor pela qualidade de um fruto que aporta saúde, como é caso do efeito antioxidante entre outros, reconhecido aos mesmos.

O porque deste nome da marca?
A marca MaryBerries foi criada em 2014, fruto de um projeto de instalação de jovem agricultor no âmbito do PRODER e tem como alvo o mercado externo, no qual identifiquei oportunidades de negócio. Este nome tem origem no meu próprio nome e entendo ser uma marca que mais facilmente atinge o nosso target.

É essencialmente para exportação?
A exportação é claramente o meu objetivo, pois entendo que a aposta na qualidade (em todos os processos – produção e comercialização) é um valor fundamental e pretende satisfazer os consumidores mais exigentes e que valorizem o que faço. Em Portugal, entendo que na maior parte dos casos, procura-se preços baixos. O que muitos consumidores não sabem é que os preços baixos normalmente são conseguidos com acesso a produto importado, onde se faz uso de determinados produtos que são proibidos em Portugal, normalmente de qualidade inferior e que tiveram por base o uso quase sempre abusivo de mão-de-obra barata, sendo esta que determina o valor final do produto. O morango tem muita incorporação de mão de obra. A MaryBerries está determinada em investir sempre em qualidade superior para satisfação e segurança de quem consome o seu produto.

Qual é a produção?
A produção atual está focada no morango, sendo que ambiciono mais. A exploração ainda é pequena pois o objetivo era testar um sistema novo de produção de morangos (Semi-hidroponia suspensa). Mesmo assim, este ano trouxe ao mercado cerca de 20 toneladas de fruta.

É através de Hidroponia?
O sistema que estou a utilizar apelida-se de hidroponia, sendo que não se trata de hidroponia como vemos por aí nas alfaces, nabiças (Hidroponia NFT – Fluxo laminar de nutrientes, em que as raízes não tem qualquer suporte, estando em contacto direto com a solução nutritiva). Considero estar a usar um sistema semi-hidropónico, pois tenho um sistema de calhas suspenso com sacos de substrato para morangos, na medida em que o morangueiro tem que ter suporte para o seu sistema radicular, uma vez que o stress das plantas conduz a menor produtividade.
Gostaria de desmistificar um pouco o consumo de produtos oriundos de sistemas hidropónicos (Qualquer que seja). Em países desenvolvidos como é o caso do EUA e Holanda, este produtos têm um valor superior aos da produção tradicional, na medida em que só levam os nutrientes necessários aos seu desenvolvimento. Esses nutrientes não são diferentes dos que existem no próprio solo e dos que se adquirem para incorporar no mesmo. A diferença está na quantidade utilizada, pois quem é que faz regularmente análises ao solo para saber a sua composição e ajustar a nutrição em função? E depois ainda adicionam outros adubos! Hoje em dia é muito difícil saber o que estamos a comer. O produto hidropónico está muito próximo do produto biológico, só não o é porque não é produzido em contacto com o solo.

Portugal e Almeirim em particular tem boas condições para esta cultura?
Sem dúvida, apenas não temos dimensão para competir com outros países. Precisamos de mais associativismo.
A Lusomorango teve um papel determinante para o crescimento da produção destes frutos na nossa região, aglomerando um grande grupo de produtores, mas deslocalizaram a maior parte da produção para países de mão de obra barata! A qualidade do nosso produto é reconhecidamente superior à de outros países o que nos leva à necessidade urgente de unir esforços para darmos corpo à diferenciação que nos garante a reconquista dos mercados que já estiveram connosco.
Para tal precisamos de mudar mentalidades! Não podemos andar desconfiados uns dos outros e a esconder o conhecimento dos outros produtores com quem estamos agrupados.

Já começa a notar que as pessoas estão recetivas a consumir determinados produtos em todo o ano?
Os frutos vermelhos acabam por ser consumidos todo o ano, ora pelo fruto direto, ora transformados (Iogurtes, doces, compotas, chás, ….). Nós somos um povo que vai adaptando os seus hábitos e aos poucos vamos aproximando de outros povos que entendem estes frutos não só pelo prazer de consumo, mas também pelos efeitos benéficos para a saúde.

Um artigo recente diz que os morangos são boas fontes de fibras, vitamina C, folatos, cálcio ou ferro. Devíamos comer mais morangos?
Claro que sim. Os morangos são uma fonte importante de propriedades antioxidantes e, por isso, um auxiliar na prevenção de doenças cardiovasculares e do envelhecimento precoce. Além da prevenção, e a par de uma alimentação saudável e equilibrada, contribuem para a diminuição do colesterol, para o controlo dos níveis de glicémia e regulação do trânsito intestinal.

No entanto há ideia de morangos bonitos serem sinónimo de muitos tratamentos …
A beleza do ser humano também depende dos tratamentos? Parece-me que uma alimentação ajustada e equilibrada e os cuidados com a saúde (Ser preventivo), conduzem a uma beleza natural e o mesmo acontece com as plantas (frutos).
Claro que também há seres humanos com beleza artificial, o que também pode acontecer com os frutos! É a diferença entre um produto de qualidade ou não. Eu optei pela qualidade.

.