ML Atelier esteve presente no Lisboa Design Show 2015

Maria Lúcia adora o que faz e não se vê a fazer outra coisa. Foi entre agulhas, linhas e dedais que recebeu O Almeirinense, no seu “ML Atelier”, situado na Galeria Doce, em Almeirim. Abriu portas no dia 11 de novembro de 2014 e diz-se satisfeita pois além de ter o seu atelier, está a ter uma grande aceitação por parte dos clientes.

Quando e como começou esta paixão?
Não diria bem que é uma paixão, pois é uma coisa que nasceu comigo…que sempre me acompanhou e que acontece naturalmente, vai crescendo connosco. Quando… não lhe sei dizer pois cresci no meu de tecidos (risos), já havia na família que estivesse na área. Sempre gostei de mexer em tecidos, as cores, as texturas…

Porque decidiu abrir um espaço próprio?
Há doze anos que trabalhava em casa e achei, há cerca de um ano, que estaria já na altura de abrir um espaço meu, fora da minha habitação. Os meus filhos já não dependiam tanto de mim (o Rodolfo na faculdade e a Simone foi para o ciclo, tendo o seu dia mais ocupado e eu fiquei… “sozinha” e comecei a pensar porque não agora?
Certo dia andava às compras e soube deste espaço, que estaria disponível e em três semanas, foi a concretização, ou seja, abri o atelier. Mas o mais curioso é que o ano passado (antes da abertura) fui com uma grande amiga, a Patrícia Gonçalves, à Lisboa Design Show 2014, como visitante e em jeito de brincadeira ela disse-me “para o ano estás tu aqui a expor”. E não descartei a hipótese, pois andei a ver as peças e não gostei daquilo que vi, bastou ver o avesso das peças, pois a peça desde que seja bem feita por dentro, o seu detalhe final esta impecável. Tudo vem de dentro para fora e as coisas têm de assentar bem no corpo de uma pessoa. Eu ligo muito ao detalhe e sou minuciosa… não trabalho ao centímetro, trabalho ao milímetro! Tudo tem de ficar perfeito.
Ter ido à FIL em 2014 foi uma espécie de clik. Abrir este atelier, foi um bocadinho a medo, pois quem trabalhou 12 anos em casa… quer dizer… alem das minhas clientes habituais ninguém me conhecia… ninguém sabia quem era a Lúcia… e não conheciam a minha maneira de trabalhar. É muito diferente de ter uma porta aberta, pois requer muito mais trabalho e concentração pois eu posso estar no meio de uma bainha, ou peça, ou até mesmo de um corte, pois sou interrompida e vou ter de voltar à estaca zero…

Como tem sido a recepção por parte dos clientes?
A recepção por parte dos clientes tem sido muito boa… cada vez mais. Por vezes as clientes chegam aqui com uma ideia e às vezes eu vejo que essa ideia pode não ser a indicada e que se pode fazer uma peça completamente diferente daquilo que elas idealizam e na maioria dos casos as pessoas saem daqui completamente satisfeitas, e é isso que me deixa feliz. Mas claro, o que eu gosto mesmo é quando uma cliente vem sem ideias e aí eu posso dar asas à minha criatividade à vontade. Criar peças únicas é sem dúvida o que me dá mais prazer, gosto de trabalhos difíceis porque são esses que me metem à prova e me fazem superar, mas respeito e satisfaço sempre o desejo da cliente.

Quais os serviços que podemos encontrar no seu atelier?
Todo o tipo de roupa para o lar, homem, mulher e criança.

Como correu participação no Lisboa Design Show 2015?
Foi uma experiência muito positiva. Recebi um email três semanas antes do evento a convidarem-me para participar pois o meu trabalho encaixava-se na perfeição. Pensei que isto não era para mim, porque sei que este evento é para a “nata” do design, eu tinha o meu stand ao lado do Eugénio Campos! Mas eu estive uns dias ainda a decidir se iria… tinha três vestidos para entregar e eu sou fiel às minhas clientes e foi uma semana a menos que tive para me dedicar ao LDS e ficaria frustrada se não lhes fizesse os vestidos e muito triste se não fosse a este grande evento.

O que apresentou?
Tinha que apresentar oito coordenados, para quem não sabe são três peças por pessoa, ou seja, teria de fazer 24 peças em tempo recorde, sem falar na escolha e compra de tecidos. Tive uma ajuda é certo, mas desde o desenhar, cortar e colocar à máquina fui tudo eu. As roupas que apresentei na FIL foi tudo casual chic, roupa casual do dia a dia, mas com um toque clássico. Tive pouco tempo, mas em oito dias eu fiz um closet a pensar em mim, no que eu gostaria de vestir.

Que reações houve?
Foi muito bom. Penso que as peças que criei tiveram uma aceitação estupenda devido aos elogios e retiro também balanço face às vendas que fiz e encomendas que já tenho.

Quais os próximos desafios deste género?
Aguardo serenamente pelo futuro …(risos)

Onde vai buscar as ideias? E a inspiração?
O meu objetivo é mostrar às pessoas aquilo que consigo criar. As ideias e inspiração vai surgindo consoante tecidos, cores, texturas…

Contactos:
Rua Dionísio Saraiva, 28 – Galeria 3 | 2080-104 Almeirim
Facebook.com/MariaLuciaAtelier
lucybotas@gmail.com
Tel: 937 762 334

.