A vindima visto por uma garrafa…

Para muitos nesta altura em tempos idos, as Vindimas faziam parte do quotidiano desta vila…(CIDADE né?). Por isso, recordaremos para quem viveu esses tempos em que a carroça com o latão cheio de uvas, nós piquenos com fateixas atadas a um cordel à surrapa roubavámos uns caxitos delas, as ruas porcas do mosto e um cheiro que até embebedava a quem o não bebia, muitas vezes os nossos Bombeiros andavam a lavar as ruas, a descarrega diária junto a janelas que tinham um lagar e a ciroulhita arregaçada e a camisa emporcada que era a veste do trabalhador que ia pisando até ao sol-posto onde muitas vezes quando íamos espreitar para ver como era de repente disparado de lá de dentro um cacho de arremeço que nos acertava na funça, e lá íamos todos sujos para casa. Os Homens eram como o vinho: todos começavam como uvas. Cabia às mulheres amassá-los, pisá-los e enclausurá-los até que amadurecessem! As Mulheres também eram como o vinho: com o passar dos anos umas refinavam o sabor, outras azedavam. As que azedavam, era por vezes por falta de uma boa rolha! Ainda hoje….ha destes proverbius….

FILOSOFUTINTUS E PROVERBIUS BRANCUS:

A BOM OU A MAU COMER… TRÊS VEZES VINHO BEBER
Provérbio popular associado a momentos festivos e que significa a necessidade de beber ou brindar com vinho puro, sempre três vezes, independentemente da qualidade da comida. O mais importante de facto é salientar o ato social de beber. “Óh J´quim… bazaaí mais um… mas cheio porque ê na sê contar!”

AO BOM AMIGO, DÁ O TEU PÃO E O TEU VINHO
Ao bom amigo devemos sempre servir o nosso pão e o nosso vinho (aquele que é produzido em nossa casa). ”Em tempos até a patroa era oferecida, quando o dono ‘tava c’a bezana”.

ATÉ AO LAVAR DOS CESTOS, AINDA É VINDIMA
Provérbio popular que nos transmite a ideia de lutarmos até ao fim por uma causa (não confundir com o 25 de Abril). Até ao final pode-se mudar o rumo dos acontecimentos. Provérbio apelativo e incentivador da necessidade de persistir até ao fim… “Quer`se`dezer… até cair p`ró lado mas sempre teimoso e cheio de sede”.

CADA “BUCHA” SUA PINGA
Cada comida tem sempre a sua bebida a acompanhá-la. No imaginário popular, os homens não se imaginam a comer sem terem algo a acompanhar (de preferência vinho na maioria dos casos). E por norma, 2 azeitonas, por 2 litros de vinho… se calhar é muita azeitona, né?

O PÃO PELA COR E O VINHO PELO SABOR
A qualidade do pão aprecia-se depois de cozido, pela sua cor e aspecto. O vinho só pode ser apreciado pelo seu inconfundível sabor. E na parte final quando chamamos pelo “Gregório”… Vem tudo atrás e misturado e ‘tá tudo dito”.

O VINHO FAZ BEM AOS HOMENS, QUANDO SÃO AS MULHERES QUE O BEBE
Provérbio popular que nos diz uma coisa muito simples: se não ingerir Vinho, de certeza que este não lhe fará mal. Aqui é utilizada a figura da mulher, em certo tom jocoso, para troçar de uma situação (as bebedeiras) frequentemente associadas ao elemento masculino no imaginário popular do povo português. Mas na realidade, é giro ver uma mulher bêbeda, hoje em dia… venham elas, as Camilas da altura e de hoje!

 

Augusto Gil

.