Burlões de Água

Vários clientes da Águas do Ribatejo (AR) assinaram contratos com empresas que, alegadamente, garantem o tratamento da água para consumo em suas casas, alegando “má qualidade da água abastecida pela AR e perigo para a saúde dos consumidores”.

Os clientes consideram-se enganados quando percebem que para além da compra dos equipamentos estão sujeitos ao pagamento de mensalidades para alegada monitorização e controlo da qualidade da água e manutenção dos sistemas de purificação. Alguns contratos custam milhares de euros aos clientes e alguns já procuraram ajuda junto da DECO e recorreram a advogados para tentar renunciar aos contratos.

As estratégias comerciais, alegadamente, recorrem a dados falsos sobre a qualidade da água que abastece os cerca de 150 mil habitantes dos concelhos de Almeirim, Alpiarça, Benavente, Coruche, Chamusca, Salvaterra de Magos e Torres Novas. Os vendedores fazem experiências com recurso a reagentes para alterar a tonalidade, sabor e aspeto da água e provocar o assentamento dos seus minerais, criando um cenário de medo entre os consumidores e potenciais compradores dos “equipamentos de purificação”

A ÁGUAS DO RIBATEJO (AR) garante, mais uma vez, que a água que distribui é de boa qualidade e totalmente segura para consumo humano, como atestam as cerca de 10 mil análises realizadas anualmente segundo o Plano de Controlo de Qualidade da Água em curso.

A AR, corroborando uma posição da Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) reforçada pela Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR) reitera a sua preocupação sobre a utilização deste tipo de “purificadores da água”.

.