Há 60% de produtores ainda com tomate nos campos

No passado dia 30 de setembro foi marcada uma reunião pela Directora Regional de Agricultura do Ribatejo e Oeste, Maria Elizete Jardim, com Amândio Freitas, Presidente Associação Portuguesa de Produtores de Tomate (APPT) .

Foram discutidos os dados dos prejuízos causados pelas chuvas continuadas de Verão, onde ficou claro que existem ainda cerca de 30% da produção de tomate por apanhar, o equivalente a 4500 hectares de produção que corresponde a cerca de 30 milhões de Euros em prejuízo, dados estes acordados com a Diretora Regional, pois embora o tempo esteja a melhorar o tomate degradou em massa não estando capaz o seu apanho.

Ficou claro que somente cerca de 40% dos produtores de tomate têm a produção assegurada, e nesta percentagem somente uma muito pequena parte tem uma seguro que lhe dê resposta aos estragos, pois a maioria assegurado, o seguro não se responsabiliza por este tipo de intempérie, sendo um seguro desadequado à realidade do sector.

Nesta reunião deixamos claro a necessidade de seguros acertivos para os agricultores e com valores acessíveis e adequados à realidade do sector Agrícola, pois este tipo de intempérie acontece em média de 10 em 10 anos, não sendo por isso considerado seguro de Alto Risco.

A Associação Portuguesa de Produtores de Tomate propõe a criação de uma Comissão de Estudo do risco das culturas Agrícolas e da importância dos apoios do estado ao sector.

Maria Elizete da Costa Jardim deixou claro que não há indicação de penalização por Bruxelas no caso de a Quota Nacional não ser cumprida.

As preocupações levadas até à Direcção Regional de Agricultura foram recebidas com preocupação e atenção por parte da Directora regional de Agricultura, deixando também que se encontra atenta e do lado dos Agricultores Ribatejanos, onde o sector Agrícola é parte integrante e fundamental na economia Ribatejana.

.